20 perguntas com: Ernani "Weedzao" – Free Fire Esports

20 perguntas com” é uma série de matérias que serão publicadas no site da Free Fire Pro League. O objetivo das entrevistas será aproximar cada vez mais o leitor dos seus jogadores e criadores de conteúdo favoritos.

Retornando após às finais da Pro League e o Free Fire World Series, nós conversamos com Ernani “Weedzao“, um dos influenciadores do Corinthians, que nos últimos dois finais de semana se consagrou campeão brasileiro e mundial.

Um dos melhores jogadores de AWP do cenário, Weedzao foi acusado de usar programas ilegais para jogar bem e acabou sendo banido no passado. Logo após reverter o mal entendido, ele voltou com tudo e seguiu trilando o seu caminho no Free Fire, sendo recentemente anunciado em um dos maiores times do cenário.

Entre as suas conquistas, a maior foi na Tailândia, no Free Fire Streamer Showdown. Weedzao fez parte do time brasileiro que representou o país na competição e ajudou seus companheiros na conquista inédita.

imagem17-03-2022-22-03-21

Nome completo?– Ernani de Almeida Perim Duarte.

Idade?– 25 anos.

Cidade natal?– Conceição da Barra, Espírito Santo.

Pai e mãe?– Sandro e Girlena.

Faculdade?– Eu queria sim ter feito faculdade, mas na época não tinha condições, etc… mas se eu tivesse que escolher seria algo na área de computação.

Como começou a jogar Free Fire?– Me apresentaram o jogo, mas eu comecei a jogar no emulador do meu notebook quebrado pois não tinha um celular que rodasse o jogo.

Já acompanhava o cenário antes?– Sim, sou fã do Ninja (Fortnite), do FalleN (CS:GO) e do Tecnosh (PUBG).

Porque “Weedzao”?– Era o nome que eu usava quando jogava Tibia, coisa de menino novo.

Quando você percebeu que estava ficando conhecido?– Quando eu fui chamado para comentar uma Pro League e depois um Mundial.

O quão impressionante para você é o tamanho do público engajado com o jogo?– É surreal, nunca vi algo tão grande acontecer tão rápido como foi o caso do Free Fire, que do nada mudou a vida de muitos.

Qual foi a sua reação quando recebeu o convite do Corinthians?– Eu sou um cara que gosto muito de ter carreira solo, mas quando descobri que todos os meus amigos estavam no mesmo lugar, eu não tive como não abraçar o Corinthians. Fiquei super feliz pelo convite e aceitei de cara.

E como é representar um gigante do futebol no Free Fire?– É incrível saber que o Free Fire está grande a ponto de estar recebendo times de futebol… isso é evolução, era apenas um joguinho de celular e hoje é o jogo mais jogado do Brasil.

O que a sua família acha da sua profissão?– Minha mãe sempre me apoiou, mas sempre pegando no meu pé… Minha família não aceitava, não acreditava… Eu não estaria aqui onde estou se tivesse desistido.

Qual a sensação por ter representado o país lá fora (Tailândia) e ainda voltar para casa com o título?– A sensação é de um sonho realizado. Eu viajei para o exterior pela primeira vez e ainda voltei para o Brasil com o título, foi surreal.

imagem17-03-2022-22-03-22

Inspirações?– Inspiração para mim é a minha mãe, sozinha no mundo e mesmo com quatro filhos nunca largou mão de cuidar de um por um.

Maiores sonhos?– Meu sonho é ser a cara do Free Fire, quero que as pessoas pensem em Weedzao quando pensar no Free Fire. Fora do jogo, o meu sonho é ter uma família e dar tudo para minha mãe e meu filho.

Momento mais feliz da sua carreira?– Ter jogado o Mundial e conseguir trazer o troféu para casa.

Momento mais triste?– Ter sido banido pela Garena por dois meses por ser bom de AWP. Eu acabei sendo “desbanido” dois meses depois, mas mesmo assim acabei perdendo a minha primeira conta, tive que começar uma nova. Isso me deixa triste até hoje, sou um colecionador e amo os itens antigos… queria todos na minha conta nova, seria mais do que justo.

Por tudo que aconteceu, já pensou em desistir?– Desistir é para os fracos, como eu sempre digo: “Tentaram derrubar a lenda, mas a lenda nunca morre”. Eu não digo isso porque eu não morro no jogo, mas porque tentaram me derrubar e eu nunca desisti.

Quer deixar uma mensagem para os seus fãs?– Eu não sou muito bom com palavras, mas deixo esse recado para vocês: Passe a agradecer ao invés de reclamar, sempre dê o seu melhor. Não olhe para o lado e fale que o seu colega tem um aparelho ou algo melhor que o seu, dê sempre o seu melhor em tudo que fizer.

Poucos sabem da minha história e de onde eu vim… já vendi sanduíche na praia, sai de casa com 17 anos porque meu filho nasceu, trabalhei de garçom, entre outras coisas. Eu comecei a jogar Free Fire no meu notebook quebrado, que eu colocava um ventilador para esfriar, com o ping beirando os 600~800 e eu nunca reclamei, sempre dei o meu melhor, nunca olhei para o lado e falei que certa pessoa jogava mais que eu porque tinha um computador melhor.

Dê sempre o seu melhor, o que me fez chegar onde estou hoje foram as pessoas que desacreditaram de mim, isso me deu mais forças para continuar. “Mudar você já muda tudo, mude você e tudo em volta vai mudar. O treino é a base do sucesso”. Eu amo vocês ♥️

Encontre o Weedzao nas redes sociais: Instagram | YouTube | Nonolive

Leia as outras entrevistas da primeira temporada:

  • 20 perguntas com: Piuzinho – “o bravo tem nome”
  • 20 perguntas com: Cerol – “O BAGULHO É DOIDO, SÓ CAPA”
  • 20 perguntas com: Kroonos – o melhor jogador de Free Fire do mundo
  • 20 perguntas com: UBiTa – o melhor jogador de Free Fire do Brasil

Fonte: www.ffesportsbr.com.br/2019/11/21/20-perguntas-com-ernani-weedzao