20 perguntas com: Ramon "GGeasy" – Free Fire Esports

20 perguntas com” é uma série de matérias que serão publicadas no site da Free Fire Pro League. O objetivo das entrevistas será aproximar cada vez mais o leitor dos seus jogadores e criadores de conteúdo favoritos.

O convidado da semana é Ramon “GGeasy”, fundador da antiga New X, equipe de Free Fire que foi contratada pela paiN Gaming após a conquista da segunda temporada da Pro League.

Conheça, na íntegra, um pouco mais de um dos jogadores mais famosos do país:

Nome completo?– Ramon Raynny Tavares Estevam Ramalho.

Idade?– 23 anos.

Cidade natal?– João Pessoa, Paraíba.

Pai e mãe?– Elisângela e Bosco; meu pai é falecido.

Faculdade?– Eu fiz faculdade de administração, cursei até o quinto período mas larguei para seguir com a carreira de streamer de Free Fire.

Como começou a jogar Free Fire?– Foi por indicação de um cunhado meu, depois que joguei me apaixonei pelo jogo.

De onde vem o apelido “GGeasy”?– Eu joguei LoL (League of Legends) por um tempo e ganhava várias partidas lá, fazia os adversários se renderem logo aos 15 minutos. Quando isso acontecia, a gente digitava “gg easy” no chat, ai eu trouxe a expressão para ser meu nome no Free Fire.

O quão impressionante para você é o tamanho do público engajado com o jogo?– É algo inacreditável, diria até que surreal. Brota gente de todo lugar (risos).

Quando você percebeu que estava ficando conhecido?– Quando a galera da minha rua começou a ir até a minha casa para tirar foto comigo (risos).

O que a sua família acha da sua profissão? Eles sempre te apoiaram?– Eu fui bem decidido com o que eu queria para mim, minha família só observou e passou a me apoiar depois.

Pensou que chegaria tão longe por causa do Free Fire?– Nunca, mas sempre corri atrás dos meus objetivos.

Qual a sensação de representar uma das maiores organizações do país?– Eu nem tenho palavras para descrever isso, só tenho que agradecer a Deus.

Inspirações?– Eu comecei no Free Fire assistindo o “carecudo” God Wins e o ERG Games. Eles, para mim, são pessoas de outro mundo, amo muito.

Qual seu maior sonho relacionado ao Free Fire?– Meu maior sonho no Free Fire é bater a meta de um milhão em todas as plataformas e ser reconhecido como o melhor streamer do jogo.

E o maior sonho fora do Free Fire?– Meu maior sonho fora do Free Fire eu já conquistei, era poder ajudar minha família.

Já pensou em desistir alguma vez?– Sim, o momento mais difícil foi deixar minha filha na Paraíba. Foi tudo muito complicado para mim nos primeiros meses. O que me tranquilizou foi o fato da minha mãe ter ficado lá cuidando dela.

Momento mais feliz e mais triste no Free Fire?– O mais feliz foi quando eu encontrei os meus amigos streamers pessoalmente e o mais triste foi ter deixado minha filha para trás.

Defina o Free Fire em uma palavra?– Vida.

O que almeja para 2020?– Eu quero muito que a paiN se torne o melhor time de Free Fire da atualidade.

Quer deixar uma mensagem para os seus fãs?– Se você tem um sonho, corra atrás. Tudo depende do quanto você quer realiza-lo. Amo vocês ❤

Encontre o GGeasy nas redes sociais: YouTube | Instagram | Facebook

Leia as outras entrevistas da primeira temporada:

  • 20 perguntas com: Piuzinho – “o bravo tem nome”
  • 20 perguntas com: Cerol – “O BAGULHO É DOIDO, SÓ CAPA”
  • 20 perguntas com: Kroonos – o melhor jogador de Free Fire do mundo
  • 20 perguntas com: UBiTa – o melhor jogador de Free Fire do Brasil
  • 20 perguntas com: Ernani “Weedzao”

Fonte: www.ffesportsbr.com.br/2019/12/19/20-perguntas-com-ramon-ggeasy